Oleação – Abhyanga

Olá, minha jóia

Hoje estou a passar para te falar de um tratamento ma-ra-vi-lho-so que desde que comecei a fazer senti diferenças e-nor-mes em mim, como: menos ansiedade, menos contraturas e tensão na cervical, sono mais profundo e uma catrefada de outras coisas boas!!

Por isso, MAYDAY:

Se te identificas com isto que acabei de descrever e se ainda sentes as tuas articulações a ranger, se tens pele seca e gretada, se notas que estás com excesso de toxinas, se tens tensão acumulada no corpo, se acordas mais cansada/o que a escrava Isaura (entre muitos mais), então fica aqui porque o que tenho agora para te dizer é um must have para a tua rotina!

A oleação ou “snehana” em sânscrito (terapia de oleação) é um procedimento milenar, mais frequentemente usado no oriente, e realizado com muita regularidade.

Abhyanga consiste numa oleação com massagem ao corpo que ativa os marmas (pontos vitais) e estimula os tecidos e a circulação.

“Na índia é tradição massajar o corpo, desde o primeiro dia de nascimento e repetindo todos os dias até pelo menos ao terceiro ano de vida da criança. Após os três anos de idade, a rotina muda e a massagem é feita pelo menos uma ou duas vezes por semana, até por volta do sexto ano.

Depois disso, a criança é capaz de massajar outras pessoas e receber massagem em troca e isto continua até ela começar a praticar exercícios físicos.

A massagem semanal é uma cena familiar e faz parte da vida.

Também existem massagens cerimoniais. Uma delas é a massagem antes do casamento que fornece brilho e beleza ao jovem casal. Feita com óleos e outras substâncias, a massagem relaxa quem vai casar, dá vigor, proporciona força psíquica e aumenta a beleza. Outra massagem recomendada é a da mulher depois do parto, que é feita diariamente por, no mínimo, 40 dias.”

Num compito geral, quando alguém pensa em massagem associa diretamente a relaxamento. Mas vai mesmo muito além disto!

Quando eu facultava massagem Abhyanga em gabinete, tinha esta ladainha de baixo diariamente ahah

Deixo-te agora os benefícios principais deste tipo de tratamento:

🔸 Retarda o envelhecimento e promove a nutrição dos tecidos (sete dhatus)

🔸 Alivia o cansaço causado por tensão física, mental e/ou acumulação de toxinas

🔸 Trata desequilíbrios do dosha Vata, como desordens dos nervos e ossos

🔸 Melhora a circulação e o movimento dos fluídos vitais, facilitando às toxinas acumuladas nos músculos serem eliminadas e aumentando a capacidade das células absorverem energia vital (prana) e nutrientes orgânicos

🔸 Aumenta o equilíbrio eletroquímico no corpo e mantém a humidade e hidratação da pele, o que possibilita à energia eletromagnética da terra interagir com o campo eletromagnético do corpo

🔸 Induz o sono profundo e os sonhos

🔸 Fortalece o sistema imunitário, dando resistência e harmonia ao organismo no geral e prevenindo doenças

🔸 Promove um padrão respiratório mais profundo e natural

🔸 Auxilia o sistema digestivo, mantendo o equilíbrio e a circulação correta dos gases no corpo

🔸 Torna a vida mais alegre e saudável

👉 Este tratamento deve ser sempre feito de manhã e nunca à noite, uma vez que é revigorante e estimulante.

👉 Deve ser usado óleo morno (especialmente em dias frios) e de boa qualidade, idealmente biológico e prensado a frio (procedimento que garante a conservação de vitaminas e nutrientes extraídos numa primeira instância).

O óleo de amêndoas doces pode ser usado por qualquer constituição e por isso pode ser aplicado em qualquer pessoa. Contudo, se quiseres aprofundar esta parte e tiveres tido consulta com um/a especialista que te tenha dado indicação dos teus doshas, sabe que: pessoas com constituição Vata podem usar o óleo de sésamo; as com Pitta, o óleo de côco e as com Kapha, o óleo de mostarda.

👉 No final da oleação – abhyanga, deves tomar um duche de forma a remover as toxinas extraídas com este tratamento (importante).

Senta-te em cima de uma toalha de banho num lugar agradável e onde não tenhas frio.

Verte uma quantidade generosa de óleo morno nas mãos e repete sempre que mudares de parte do corpo ou sempre que sintas que necessitas de mais.

Convém que a massagem seja com movimentos calmos, mas precisos. Não apliques demasiada força, mas também não faças (só) festinhas eheh

Em movimentos circulares essencialmente, percorre todo o corpo, desde o dedo do pé até à nuca, seguindo os seguintes passos:

  • Pés e tornozelos – Começa por um pé e massaja-o no geral, entre os dedos, calcanhar e planta do pé. Faz o mesmo no pé seguinte
  • Pernas e joelhos – trabalha essencialmente na zona dos gémeos, detetando os músculos aplicando maior pressão
  • Coxas e glúteos – continua os movimentos circulares e precisos, colocando mais ascendência na zona dos glúteos (pega no rabiosque em baixo e vai puxando para cima até chegares ao topo)
  • Barriga – massaja no sentido dos ponteiros do relógio e ajuda o teu intestino a regular-se
  • Zona lombar – massaja do topo para baixo – única zona descendente da massagem (isto ajuda a equilibrar o teu dosha Vata)
  • Zona dorsal (a meio das costas) – continua os movimentos circulares, mesmo que não consigas ter acesso a esta parte tão profundamente quanto as outras
  • Mãos e pulsos – massaja bem a palma da mão, principalmente na zona mais elevada na direção do polegar (a chamada “almofadinha da mão), bem como cada dedo individualmente e no topo da mão; faz rotações no pulso, fechando a mão que massaja como se fizesse uma pulseira do outro pulso e rodando para a esquerda e para a direita
  • Braços – começa no antebraço e depois passa para o braço
  • Ombros e peito – continua com movimentos circulares até chegar ao pescoço
  • Zona cervical (pescoço) – aplica um pouco mais de pressão (principalmente através do polegar) nesta zona, uma vez que é um dos pontos que acumula mais tensão e contraturas
  • Rosto – começa pelo queixo e bochechas, sempre em movimentos circulares e ascendentes; faz círculos na zona das pálpebras,  têmporas e na zona por baixo dos olhos; não te esqueças das orelhas (puxa-as suavemente pra cima na parte superior da orelha e para baixo, no lobo da orelha – sim, como se estivesses a dar um auto-puxão de orelhas); por último faz o sinal do infinito na testa e relaxa; tudo isto ajuda a atenuar as rugas e a estimular a circulação
  • Cabeça – aplica alguma pressão com as pontas dos dedos em toda a nuca e agarra no cabelo pela raiz dando uns puxões subtis (isto faz com que aumentes a capacidade de oxigenação do cérebro); se não lavas o cabelo diariamente, deixa este último passo apenas para os dias em que lavas o cabelo

Os tratados clássicos sugerem que seja feita Abhyanga diariamente, mas existem alguns alertas que deves saber:

👀 Caso tenhas dosha Kapha em desequilíbrio ou exacerbado, deves evitar este procedimento, a não ser que tenhas essa indicação por parte de um especialista ayurvédico.

👀 Se por outro lado passaste por uma terapia geral de desintoxicação ou por um Panchakarma, também deverás evitar (salvo exceções).

👀 No caso de teres algum problema cutâneo ou outro em específico e que possa agravar com este tratamento, fala com um/a especialista ayurvédico/a antes.

Em resumo: besuntares-te de oiiiil faz MUITO BEM, por isso, podes começar já e no caso de teres alguma dúvida, fala diretamente comigo.

Como? Deixando um comentário neste artigo (muito agradecida às almas do céu se o fizeres porque é sinal que alguém lê isto 😅), através do Instagram @marianaalves.ayurvedica ou por e-mail marianaalves.ayurvedicamail.com.

Estou aqui para o que necessitar, minha jóia!

Abracinho 💛

Mariana

_________________________________________________________________________

1ª e 2ª Fotografias – Pexels

Fontes: Manual de Massagem Abhyanga Terapêutica (David Ferreira)

Queres reencontrar o equilíbrio através da ayurveda?